5 motivos para deixar o cachorro dormir na sua cama



Eles transmitem segurança, deixam o sono mais tranquilo e são uma companhia quentinha para os dias de inverno

Toda noite é aquele dilema: “será que eu deixo meu cachorro dormir comigo?”. A ideia de passar a noite com seu melhor amigo ao pé da cama é deliciosa, considerando que ficamos grande parte do dia longe dele.

Mas devemos mesmo criar este hábito? Se você procura razões para responder “sim!” em alto e bom som, nós te ajudamos com os argumentos!

1. Cães ajudam a reduzir nossa ansiedade

Estudos comprovam que cães ajudam a diminuir a ansiedade das pessoas. É até possível encontrar cães que acompanham pessoas com Ansiedade Generalizada e Síndrome do Pânico, como forma de trabalho. Elesoferecem estímulo paraos pacientes conseguirem sair de casa, deixando-os mais calmos e relaxados. Quando dormimos com nosso cachorro, o mesmo acontece e o sono tende a ficar mais tranquilo e profundo.

2. Cães transmitem segurança

Um som estranho na casa durante a noite provavelmente fará seu cachorro latir. Isso fará com que você se sinta muito mais seguro quando seu cachorro estiver com você.

3. Cachorros simplesmente amam dormir na nossa cama

Que cachorro neste mundo não gosta de deitar na cama do dono? Existem até mesmo aqueles que esperam a saída dos humanos para se refestelarem nos lençóis, como você pode ver no vídeo abaixo! Se a vida deles é tão curta, será que vale mesmo privá-los deste prazer?

4. Cães são gostosos de abraçar e agarrar

Fale a verdade: tem coisa melhor do que um belo abraço do seu cachorro quando vocês estão deitados na cama? É o melhor “boa noite” que existe e o melhor “bom dia” que você irá encontrar.

5. Reafirma sua liderança na matilha

Faz parte do instinto animal: na matilha, cães dormem ao lado do líder. Dormir junto com seu cão reforça sua posição de liderança e os laços entre vocês dois.

Vale lembrar que, apesar de ser uma tentação, dormir com seu cão exige higiene. Use lenços umedecidos para limpar patas depois de passeios e partes íntimas após as necessidades. Manter seu cão sempre de banho tomado e pelos escovados também é essencial para manter a saúde de todo mundo em dia.



 


PETMAG

Quais os significados dos miados do seu gato?



Você sabia que os gatos têm sons específicos para demonstrar saudade, fome, felicidade e até dor? 
Aprenda a reconhecê-los

Por não conseguirem demonstrar seus sentimentos por meio de expressões faciais, os gatos possuem uma vasta comunicação, emitindo sons.

Miados

Ao miar, eles podem emitir diversas frequências de sons e cada uma possui um significado. Miados curtos, normalmente, são mais frequentes em atividades cotidianas, como ao ouvir o chamado do dono ou quando está com fome.

Já os miados mais longos, são emitidos quando os gatos estão com dores, feridos ou por fêmeas no cio. Se além de longos, os miados forem agudos, significa que o gato está “exigindo” algo, como por exemplo, ser alimentado naquele momento.

Os miados fracos, quase inaudíveis, podem ser considerados miados de saudade; normalmente os gatos emitem esse som quando reencontram seu dono, horas depois de terem passado algum tempo distante um do outro.

Ronronar

O ato de ronronar é, considerado por muitos, uma expressão de felicidade dos gatos. Mas já foi comprovado que o som pode ser emitido mesmo quando estiverem aborrecidos, machucados ou até sentindo-se ameaçados.

Os “ronrons” são emitidos pela vibração dos músculos da laringe e do diafragma do gato e ele consegue fazer isso ao mesmo tempo em que inspira e solta o ar.

Um estudo publicado pela Scientific American aponta que ronronar pode melhorar a densidade dos ossos e contribuir para a autocura dos gatos, em casos de ferimentos ou doenças.

Gato de apartamento: dicas para você cuidar do seu bichano!



Telas de proteção e alguns cuidados específicos são necessários para se criar felinos em apartamentos. 
Entenda como fazer para o seu gato viver bem em um apê

Não é novidade que os gatos são animais muito independentes e adaptáveis, porém a rotina de um apartamento fechado pode estressar e colocar em risco seu amigo felino, pois sua natureza exploradora e aventureira pode causar sérios acidentes.

Tenha em mente que o apartamento precisará de telas de proteção. Ao contrário do que se diz por aí, gatos não tem sete vidas e devido ao seu espirito explorador, podem acabar se acidentando.

Adquira brinquedos para que a rotina de um apartamento não estresse seu amigo bicho e para que ele possa caçar e fazer exercícios. Além disso, cuidado com as prateleiras! Eles têm o costume de andar entre os objetos e podem acabar derrubando seu vaso preferido.

Separe um lugar específico para seu gatinho. Os felinos precisam de um lugar certo para comer, dormir e fazer suas necessidades, então a caixa de areia e seu pote de comida não devem passear pela casa! Mantenha-os no mesmo lugar sempre para acostumar seu amigo com o local e, de preferência, não deixe o local do xixi e da comida próximos.

Por último e mais importante: seja presente na vida de seu pet. De nada adianta ter um felino em casa se você não pode dar atenção e carinho. Brinque, acaricie e imponha limites para seu gato, evitando assim que seu bichinho saia do controle.

Fonte: Terra

5 dicas para se comunicar melhor com seu gato



Reconheça os diferentes comportamentos do seu bichano e entenda o que ele está pedindo

Você sabia que os gatos desenvolveram um sistema de comunicação com centenas de vocalizações diferentes para dizer aos humanos o que eles querem ou precisam? Palavra de cientistas. O corpo também diz muito: a cauda e os olhos indicam felicidade, agressividade ou medo.

Compreender como seu gato está se pedindo e como os gatos interpretam sua maneira de falar com eles pode ajudar a cultivar uma relação mais próxima com seu felino.

Anote aí cinco dicas para melhorar a comunicação com seu bichano:

Entenda o motivo e a forma como os gatos se comunicam

Miar não é o jeito preferido de falarem com você. A comunicação de um gato consiste num sistema complexo de olfato, expressão facial, linguagem corporal e tato. Os gatos sabem muito bem que não compreendemos os sinais não verbais que eles mandam uns aos outros, é aí que preferem vocalizar, numa tentativa de se comunicarem do nosso “idioma”. Fique atento aos sons e as ações que usam para falar com você, os gatos sempre aprendem um jeito novo de pedir alguma coisa.
Quais as circunstâncias de cada miado?

Observe seu gato enquanto ele mia e note se é capaz de distinguir quais sons ele usa em quais pedidos ou para quais protestos.
  • Miado curto: usado como reconhecimento geral e cumprimento padrão.
  • Muitos miados: cumprimentos entusiasmados.
  • Miado tom médio: pode ser um pedido por algo como comida ou água.
  • “Mrrroooow” longo: demanda mais insistente por um desejo ou necessidade.
  • “MRRRooooowww” grave: descontentamento, reclamação ou uma preparação para a briga.
  • Miado alto e grave: pedido urgente por alguma coisa, como comida.
  • Identifique a comunicação que não envolve miados

O miado é o som mais associado ao gato, mas não é o único. Temos também o

Ronronar: som vibratório feito com a garganta, que convida ao convida ao contato próximo ou pode ser tido como um pedido de atenção. O ruído é quase sempre associado ao contentamento.

Sibilar: sinal de agressividade ou autodefesa de um felino. Indica que o animal está infeliz, que se sente assustado ou ameaçado ou que pode estar se preparando para uma briga.
A cauda também manda sinais sobre como seu felino se sente
  • Como os cães, os gatos também se comunicam com o movimento das caudas. Observar a posição do rabo em conjunto com as vocalizações pode ajudar você a entender o que seu gato quer.
  • Cauda reta para cima e com a ponta curva: felicidade.
  • Cauda se contraindo: agitação ou felicidade.
  • Pelo da cauda armado: seu gato está agitado ou sentindo-se ameaçado.
  • Cauda vibrando: ele está animado e feliz em vê-lo.
  • Pelo esticado para cima com a cauda se curva: sinal de agressividade extrema, briga ou autodefesa.
  • Pelo esticado para cima, mas a cauda baixa: gato agressivo ou assustado.
  • Cauda para baixo, entre as pernas: seu gato está assustado.

Os olhos dizem muito

Repare nos olhos do seu gato, isso o ajudará a se conectar com seu felino e a ler seus sentimentos. 

Cuidado: encarar direto sem piscar pode ser entendido com agressividade pelo seu gato, o que o deixará desconfortável.

Pupilas dilatadas: pode significar animação ou medo. Use outros sinais para descobrir qual é o comportamento dele.

Olho no olho: quando um gato olha para os seus olhos, quer dizer que ele confia em você e se sente confortável na sua companhia.

Piscar lentamente: é um sinal de carinho.

Gatos não reconhecem o sabor doce



Por não terem parte de um gene que forma os receptores do sabor doce, os felinos têm preferência pelo gosto da proteína animal

A Páscoa está aí e com ela aquela infinidade de ovos de chocolate… A gente já contou por aqui por que não é boa ideia oferecer esta delícia para os cães e gatos. A cafeína e teobromina presentes no chocolate são tóxicas para cães e gatos e podem levar à morte em alguns casos. Que este alimento é perigoso para a saúde dos animais você já sabe, mas você sabia também que os felinos não são capazes de distinguir o sabor doce?

A maioria dos cientistas concorda com o fato dos gatos não se interessarem por doces. A preferência dos felinos seria pelo sabor da proteína animal. “Os gatos, apesar de terem sido domesticados, continuam sendo carnívoros restritos e não consomem doces porque, na verdade, não têm capacidade de sentir esse sabor”, diz a médica veterinária da Total Alimentos, Bárbara Benitez.

Segundo a revista Scientific American o motivo deste comportamento é um gene específico, o Tas1r2. Os felinos, inclusive leões e tigres, não têm uma parte do DNA que existe neste gene, que gera as proteínas responsáveis pela formação dos receptores de doces (localizados na língua dos gatos). Com isso, os felinos seriam capazes de perceber o sabor doce como os humanos e outros mamíferos.

“Os tutores sabem que o olfato e tato de seus gatos são mais apurados, mas talvez não saibam que o paladar dos bichanos seja mais restrito. Saber disso, ajuda até no manejo alimentar: o tutor deve oferecer alimentos elaborados com fontes de proteínas de origem animal, e sempre prefira oferecer alimentos sempre à base de proteína animal e sempre evite doces, que podem causar obesidade e diabetes”, finaliza Benitez.

Portanto, nesta Páscoa, não ofereça chocolates e outros alimentos para seu gatinho. Ele não apreciará o sabor e passará longe de problemas de saúde.