Jesus era vegetariano?

A mensagem de Jesus é de amor e compaixão, no entanto, nada há de amoroso ou compassivo em fazendas de criação intensiva e matadouros, onde os animais levam uma vida miserável e sofrem uma morte violenta e sangrenta. Jesus exorta a bondade, a misericórdia, a compaixão e o amor em relação a toda a criação de Deus. Ele ficaria horrorizado com grau de sofrimento que infligimos aos animais para satisfazer o gosto que adquirimos por sua carne.

Os cristãos têm escolha. Quando nos sentamos para comer, podemos colaborar para a violência, o sofrimento e a morte no mundo ou podemos respeitar Sua criação e obrar pela paz.

Jesus é amor e misericórdia na forma humana e há fortes evidências de que ele era vegetariano.

Por exemplo, na época de Jesus, o sacrifício de animais era uma desculpa para os seres humanos ingerirem carne, e Jesus contestou o sacrifício de animais a cada passo. Ele proibiu a venda de animais, para sacrifício e consumo, no templo, instituiu o batismo em lugar do sacrifício de animais, disse que Deus "requer misericórdia, não sacrifício" e eliminou completamente o sacrifício de animais na Última Ceia (uma refeição vegetariana da Páscoa).

Deus criou todos os animais com a capacidade de sentir dor e sofrer. Mas nas fazendas de criação intensiva de hoje, tiram-lhes os chifres e os bicos e são castrados sem anestesia. Para gerarem mais lucro, são criados amontoados no menor espaço possível. A maioria é confinada a um espaço tão pequeno que mal conseguem se virar. Muitos nunca vêem a luz do dia ou sentem a terra ou a grama debaixo dos pés. Finalmente, são postos em caminhões, sem água e alimento, enfrentando todo o tipo de intempérie, e levados para terem uma morte apavorante e diabólica.

A dieta vegetariana faz bem à sua saúde e poupa inimaginável sofrimento e violência praticada contra os animais. Lembre-se: O que fazemos a menor de suas criaturas, fazemos a Ele.

Texto original em: http://www.jesusveg.com/index2.html

Veja também: Era Jesus vegetariano?

Cão sobrevivente do furacão Katrina vira babá de filhotes de gatos



Pet treina socialização de felinos para que eles sejam adotados mais facilmente.

Sobrevivente do Furacão Katrina, que passou pela cidade de Louisiana, nos Estados Unidos, em 2005, o simpático cão chamado de Boots é considerado o mais novo “cuidador” de filhotes em um treinamento de socialização para facilitar a adoção de gatos. Boots vive na instituição Arizona Humane Society, desde que foi adotado, com mais outros 300 animais.

Pelo menos um dia na semana, os filhotes passam tempo com o cão durante algumas horas, brincando e treinando reforços positivos. Dessa forma, eles têm a chance de aprender como se socializar com outros bichos desde o nascimento – aumentando as expectativas e as esperanças de acharem novos donos.

De acordo com o site da Arizona, a principal exigência ao adotar um gato é o grau de sociabilidade e convivência com outros animais em residências. Isso porque os felinos costumam passar por um período, durante a infância, onde vivem novas experiências que podem influenciar e definir certos tipos de comportamentos na fase adulta.

É aí que o trabalho de Boots se inicia. O cão, considerado um “mix” de Chow Chow com Golden Retriever, tem 12 anos de idade e ajuda os gatos a minimizarem esse tipo de comportamento.

Um dos trabalhos mais bacanas da Arizona Humane Society é o de resgatar bichos, cuidá-los e encaminhá-los para a adoção.

PETMAG

Estudo comprova que donos de animais são mais felizes

Crianças se recuperam mais rápido de doenças e adultos são menos estressados quando têm bichinhos de estimação por perto 


Estudo feito pelo Instituto de Pesquisa Médica Baker, na Austrália, mostrou que proprietários de pets podem sofrer menos de estresse do que pessoas que não possuem um animal. Realizada durante o período de três anos, a pesquisa apontou que ter um bichinho de estimação pode reduzir a pressão sanguínea e os níveis de colesterol – uma grande notícia e surpresa, certo? 

Anne Mcbride, psicóloga que estudou o tema, explica ”que os bichos promovem uma melhor respiração nos humanos, fazem com que os donos sorriam mais, diminuem os índices do hormônio do estresse e aumentam os níveis de serotonina, substância responsável pela sensação de bem-estar”.

Cientistas da Universidade Warwick, na Grã-Bretanha, também afirmam ”que crianças de quatro a cinco anos se recuperam mais rápido de doenças quando possuem pets em casa”. Elas também ficam mais imunes do que outros jovens que não tem cães ou gatos, de acordo com a pesquisa do instituto americano Society for Companion Animal.
Leve o seu pet para trabalhar com você!

Já pensou que delícia poder trabalhar com a companhia do seu animal de estimação? A ação é bastante comum nos EUA, na Inglaterra e no Canadá. Em pesquisa feita pela Universidade Virginia Commonwealth, nos EUA, cerca de 30 pessoas levaram seus cachorros para o trabalho, pelo menos, um dia na semana. Nesse grupo, o nível de estresse caiu no mesmo dia. O mesmo, infelizmente, não aconteceu com as pessoas que deixaram o pet em casa.

Cachorros podem ser uma espécie de ‘’facilitador” nas relações sociais humanas – seja no trabalho, em casa, entre os amigos, na terapia ou ao conhecer novas pessoas. Se nos dias de hoje muitas pessoas perderam o costume de conversar com outras e estabeler novas relações pessoais, a chegada de um pet pode ajudar nessa fase de aproximação.

A ARCA Brasil (Associação Humanitária de Proteção e Bem-Estar Animal) acredita que ”levar o pet para o trabalho pode ser uma ótima ideia”, em especial para animais que ficam muito sozinhos em casa e se sentem estressados.

Se por acaso você decidir levar o seu animal no trabalho, atente-se aos seguintes pontos: a empresa deve estar de acordo com a decisão tomada e ter espaço para receber o pet. Além disso, é essencial passear com ele nos intervalos de trabalho, principalmente se o cão ou gato forem muito ativos. Os animais devem estar saudáveis, com todas as vacinas tomadas e saber se comportar em um ambiente novo. 

PETMAG

ISRAEL - País proíbe carroças puxadas por cavalos e burros

Fim do abuso e da crueldade com os bichos: Israel acaba de tornar-se o primeiro país do mundo a banir carroças e carruagens com tração animal. A mudança foi conduzida pelo grupo israelense Hakol Chai, que há mais de 15 anos luta pelos direitos animais.

O grupo ajudou a documentar o terrível abuso de cavalos e burros que eram obrigados a transportar cargas pesadas diariamente no país. Além disso, os animais eram frequentemente espancados e forçados a trabalhar longas horas sob o sol quente. Quando ficavam velhos ou doentes, eram simplesmente abandonados.

A equipe do Hakol Chai chegou ainda a registrar fotos de cavalos famintos e com vários ferimentos pelo corpo.

Para eles, essa é uma vitória para acabar com esse fenômeno cruel. “É animador ver que, no meio de uma guerra, Israel também lembra a importância do tsa’ar ba’alei chayyim (compaixão pelo sofrimento dos animais)”, disse Reut Reshef, representante do grupo, à ONG PETA.

Fonte: Catraca Livre

Saiba quais atitudes podem ser consideradas maus-tratos aos animais

Se você ama animais, precisa saber como proceder para denunciar abusos, abandono e crueldade. Todos os dias, pela TV ou pela internet, somos bombardeados com vídeos e relatos de maus-tratos e abandono de animais. A pergunta é: se você presenciasse um caso destes? O que faria?

Para ajudar a colocar um ponto final em histórias de violência contra os animais, preparamos um tutorial que orientará você a como agir ao se deparar com uma situação deste tipo.

Confira quais são as atitudes consideradas maus-tratos aos animais. Além da violência contra os animais, existem outras ações que podem ser classificadas como maus-tratos. São elas:

Abandono
Agressões físicas, como: espancamento, mutilação, envenenamento;
Manter o animal preso a correntes ou cordas;
Manter o animal em locais não-arejados – sem ventilação ou entrada de luz;
Manter o animal trancado em locais pequenos e sem o menor cuidado com a higiene;
Manter o animal desprotegido contra o sol, chuva ou frio;
Não alimentar o animal de forma adequada e diariamente;
Não levar o animal doente ou ferido a um veterinário;
Submeter o animal a tarefas exaustivas ou além de suas forças;
Utilizar animais em espetáculos que possam submetê-los a pânico ou estresse;
Capturar animais silvestres;

Como ter certeza de que se trata de um dos casos acima? Antes de qualquer coisa, conheça as leis que amparam os animais em casos de crueldade e abandono. Depois, certifique-se de que o problema se trata de um caso de maus-tratos.

Lei Federal Nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, a “Lei dos Crimes Ambientais”.
Decreto Lei Nº 24.645, de 10 de julho de 1934, define maus-tratos aos animais.
Busque evidências e testemunhos que comprovem suas suspeitas. Se possível, tente conversar com o acusado de agressão, deixando claro que os animais são protegidos por leis.

Fotografe ou filme os animais que sofrem maus-tratos. Provas e documentos são fundamentais para combater e comprovar. Consiga o maior número de informações possível para identificar o agressor. É importante saber o nome completo, profissão, endereço residencial ou do trabalho, e se possível testemunhas.

Em caso de abandono ou atropelamento, anote a placa do carro para levantar a identificação no Detran. Não tenha medo de denunciar. Você será considerado somente uma testemunha do caso. E atenção: pessoas públicas ou famosas, também podem cometer crime contra os animais, quando na verdade, deveriam dar o grande exemplo. Faça sua parte e denuncie!

Fonte: Horizonte MS

Vereadores proíbem realização de rodeios em Santana de Parnaíba (SP)


Durante a sessão desta terça-feira (2), a Câmara de Santana de Parnaíba aprovou por nove votos favoráveis e cinco abstenções o Projeto de Lei 199/2014, que trata da proibição de rodeios no município. A iniciativa é de autoria dos vereadores Angelo da Silva, Dr. Rogério, Nequinho Desanti, Guilherme Correia, Chiquinho Miguel, Régis Salles, Ronaldo Santos e Vicente Augusto.

O Projeto de Lei, que segue para apreciação do chefe do Executivo, altera artigo da Lei Municipal 3259 de 26 de abril de 2013, que autoriza a realização de rodeios na cidade. Se sancionada pelo prefeito, a alteração na lei também irá proibir vaquejadas, touradas e outros espetáculos ou exibições públicas em que equídeos e bovinos são utilizados.

Vereador e presidente da Câmara, Nequinho Desanti enfatiza a conquista em prol dos animais. “Há um clamor público mundial para cessar a prática de tais eventos. Além disso, não é tradição do município realizar ou apoiar iniciativas que maltratam animais, como é o caso dos rodeios”.

Angelo da Silva lembra que os shows podem ser realizados. “Não há sentido ter rodeios em Santana de Parnaíba, mas os shows devem ser mantidos, como prevê a lei”, destacou. “As festas são tradicionais na cidade, os maus-tratos aos animais não”, acrescentou Dr. Rogério, que já propôs nome para o evento a ser realizado em 2015 na festa de aniversário da cidade: Parnaíba Festival Music.

“O projeto vem ao encontro dos anseios da atual sociedade que visa ações que respeitem os animais”, enfatizou Ronaldo Santos, que também defende, como os demais vereadores, a continuidade dos shows na cidade.

Agnaldo Moreno afirma que é o momento para votar contra a realização dos rodeios. “Voto a favor da mudança na lei. Ano que vem não terá rodeio, mas sim uma grande festa para a população parnaibana”.

Os vereadores Chiquinho e Régis Salles também se manifestaram durante a votação do projeto e ressaltaram que a Câmara Municipal é contra o rodeio por não ser um evento tradicional no município, como acontece em Barretos. “Nossa população merece grandes festas, para comemorar o aniversário da cidade, e não a prática do rodeio”, afirmou Chiquinho.

Guilherme Correia lembrou que a Câmara cometeu um erro ao aprovar lei que autorizava a realização de rodeios em Santana de Parnaíba. “Mas o maior erro é não corrigir o que foi feito. E nós estamos acertando. Nunca mais teremos rodeio em Santana de Parnaíba.”

“A falha que cometemos no passado está sendo corrigida neste momento”, finalizou Nequinho Desanti. Se abstiveram de votar no projeto os vereadores Nilson Cadeirante, Amâncio Neto, Alemão da Banca, Marcos O Tonho e Zé Cardoso.

Fonte: Correio Paulista

Secretário é indiciado por exterminar 129 cães e gatos no Sul

Viaturas da Polícia Civil próximas do local onde animais mortos foram encontrados
Carne envenenada foi colocada em diferentes pontos da cidade.

O secretário municipal de Desenvolvimento Econômico de Bom Jesus, na serra gaúcha, Rafael Oliveira Silveira (PP), foi indiciado pela Polícia Civil nesta segunda-feira por ordenar o extermínio de 126 cães e três gatos com a ajuda de três funcionários da prefeitura da cidade.

De acordo com o relatório policial, o secretário, teria convocado os outros três indiciados, que são funcionários da prefeitura, para exterminar oa animais. Dois funcionários assumiram o crime. Silveira e outro funcionário negaram participação no crime.

Segundo depoimento dos funcionários que assumiram o crime, o grupo adquiriu 10 quilos de sebo em um açougue. O veneno teria sido injetado no sebo, distribuído em pedaços para os animais em 10 pontos diferentes de Bom Jesus. Apenas dois participaram diretamente do envenenamento.

A Polícia Civil obteve um vídeo que mostra um carro que passou vagarosamente por um grupo de cães e se afastou. Em pouco tempo, chegou-se ao dono do carro, que era um funcionário da prefeitura de Bom Jesus. Ele admitiu participação e atribuiu o envolvimento de outros três.

Os suspeitos foram indiciados por maus-tratos aos animais e associação criminosa. As penas mínimas são pouco mais de um ano de prisão, mas podem ser aumentadas em dois terços em razão do número de animais mortos. Contudo, a pena pode se converter em pagamento de multa e prestação de serviços à comunidade, como ocorre em crimes de condenação inferior a quatro anos.

O Dia

Nota

Um absurdo o fato de um representante do Poder Público cometer um crime cruel, que levou à morte 129 animais, ter punição de pagamento de cestas básicas ou prestação de serviços à comunidade.

Já passou da hora das penas para crimes contra animais serem aumentadas, e casos como este serem punidos com punição exemplar, com pagamento de multa e restrição de direitos... no mínimo.

Assine a petição e nos ajude na luta para o aumento das penas para crimes contra animais.

http://www.peticao24.com/pelo_avanco_da_protecao_penal_ao_meio_ambiente_e_aos_animais

DOZE ANOS - Dona das marcas sadia e perdigão anuncia fim das celas de gestação



A BRF, maior integradora de suínos do Brasil e dona de grandes marcas como Sadia e Perdigão, anunciou hoje que eliminará o uso de gaiolas de gestação para porcas reprodutoras em sua cadeia de fornecimento. A Humane Society International (HSI), uma das maiores ONGs globais de proteção animal, vinha encorajando a empresa a tomar essa decisão e descreveu o anúncio como um passo promissor.

“A BRF merece crédito, pois se tornou o primeiro produtor de suínos da América do Sul a definir um prazo para eliminar o confinamento de porcas reprodutoras em gaiolas de gestação de sua cadeia de fornecimento. Esse anúncio é um passo importante em direção ao dia em que esse tipo de confinamento será uma coisa do passado em toda a indústria suína. É um grande marco que deve influenciar outros integradores e empresas alimentícias no Brasil a seguirem o mesmo caminho”, disse Carolina Galvani, gerente sênior de campanhas de animais de produção da HSI. “No entanto, nós gostaríamos de ver a empresa se esforçando para diminuir esse prazo de 12 anos para finalizar a transição. Dadas a severidade e a duração desse sistema de confinamento, o sofrimento das porcas reprodutoras mantidas em gaiolas de gestação é um dos piores dentre todos os vivenciados pelos animais criados para consumo e requer mais urgência”, completou.

A política da BRF determina que todas as unidades de produção terão que abandonar o uso de gaiolas de gestação e adotar sistemas de gestação em baias coletivas até 2026. A nova política inclui tanto granjas próprias quanto integradas, e tem o potencial de exercer um impacto positivo em centenas de milhares de animais. A cadeia de produção da BRF engloba cerca de 300 mil porcas.

No Brasil e demais países da América Latina, a maioria das porcas reprodutoras mantidas em sistemas industriais é confinada em gaiolas de gestação por praticamente toda a vida, um período de cerca de quatro anos. Essas pequenas gaiolas individuais têm quase o mesmo tamanho do corpo dos animais e os impedem de até mesmo se virar ou dar mais do que um passo para frente ou para trás. Esse tipo de confinamento resulta em vários problemas de bem-estar, como maior risco de infecções urinárias, enfraquecimento dos ossos, crescimento excessivo dos cascos, interação social limitada, problemas de locomoção e distúrbios psicológicos.

O mundo já está abandonando o confinamento em gaiolas de gestação. Em todos os países-membros da União Europeia, a proibição do confinamento contínuo em gaiolas entrou em vigor em 2013. Na Nova Zelândia, na Austrália e no Canadá, esse sistema será descontinuado em 2015, 2017 e 2024, respectivamente. Nos EUA, nove estados já aprovaram legislações para restringir a prática. A Associação de Produtores Suínos da África do Sul também está considerando uma restrição a partir de 2020.

Mais de 60 das maiores empresas alimentícias já anunciaram que eliminarão o uso de gaiolas de gestação de suas cadeias de fornecimento nos EUA – como McDonald’s, Burger King, Subway, Sodexo e Compass Group (GRSA no Brasil). A HSI trabalha com empresas alimentícias no Brasil para que elas também adotem esse tipo de política no mercado nacional. A Arcos Dorados, maior operadora de restaurantes do McDonald’s na América Latina e no Caribe, recentemente assumiu a posição de liderança ao anunciar que todos os seus fornecedores terão que apresentar planos para promover o alojamento de porcas em baias coletivas. A Nestlé seguiu o exemplo e comprometeu-se a eliminar as gaiolas de gestação em sua cadeia de fornecimento global.

A HSI acompanhará o processo de transição da BRF para sistemas de alojamento coletivo sem o uso de gaiolas e continuará trabalhando para que mais produtores brasileiros e empresas alimentícias adotem políticas similares na América Latina.

GRATUITO - Hospital Veterinário oferece tratamento para cães com doença degenerativa

Dra. Renata Cassu fazendo avaliação, acompanhada pelo
estudante Gustavo Manea Ferreira (Foto: João Paulo Barbosa/AI)
O Hospital Veterinário de uma universidade de Presidente Prudente oferece tratamento contra a dor para os cães portadores de displasia coxofemoral (doença articular degenerativa). O atendimento é gratuito e de acordo com o professor de cirurgia em pequenos animais, Gabriel Montoro Nicácio, o projeto não tem previsão para encerrar neste ano.
A doença pode ocorrer em todos os tipos de raça e porte de cães, embora seja mais comum em cachorros grandes, como os labradores e rottweilers. A displasia coxofemoral afeta as patas traseiras do animal, prejudicando a locomoção. Sendo assim, para saber se o cão sofre com a doença, o tutor deve ficar atento se o cachorro tem dificuldade para andar, levantar, sentar ou subir escadas.
Conforme a Dra. Renata Navarro Cassu, uma das coordenadoras do projeto, o tratamento consiste na avaliação, radiografia e exame de sangue dos animais. Constatada a doença, haverá o encaminhamento para tratamento contra a dor. Tanto os exames quanto o tratamento não têm custo para o tutor. Caberá apenas ao tutor do animal o preenchimento de um questionário em casa.
Serviço
Tutores interessados no tratamento de seus cães devem entrar em contato com a secretaria do Hospital Veterinário da Universidade do Oeste Paulista (Unoeste) pelo telefone (18) 3229-2035.
Fonte: iFronteira

CRUEL - Sea World em declínio: lucro da empresa cai 28%

Já se passaram 572 dias desde que executivos do SeaWorld Entertainment, Inc. soltaram um bando de pinguins na Bolsa de Valores de Nova York para celebrar a sua oferta pública inicial. Muita coisa aconteceu com a empresa desde abril de 2013, quando foi avaliada em US $ 2,5 bilhões. Agora, de acordo com o anúncio trimestral na quarta-feira de manhã, a companhia está avaliada em US $ 1,5 bilhão, além de apresentar uma perda de 28% no lucro líquido, bem como queda na frequência do parque. As informações são do site The Dodo.

Este anúncio é o mais recente de uma série de problemas financeiros e retrocessos de negócios para o SeaWorld. O apoio do público está cada vez mais em declínio.

Realidades que antes eram apenas conhecidas pelos treinadores, têm sido cada vez mais difundidas internacionalmente. O mundo está agora ciente de que orcas em cativeiro e golfinhos passam por intenso sofrimento físico e emocional. Agora sabemos que as baleias recebem drogas psicoativas, são inseminadas muito jovens, separadas dos seus grupos familiares e vivem menos do que seus parentes selvagens. Sabemos também que esses animais em cativeiro são um risco de segurança para as pessoas que entram em contato com eles, fato evidenciado por várias tragédias envolvendo treinadores do SeaWorld. E a comunidade global – de celebridades a cientistas e legisladores – está se unindo para uma mudança.

Um projeto de lei proposto em março visa proibir a realização de shows, assim como a manutenção de orcas em cativeiro na Califórnia – uma decisão que poderia derrubar o parque do SeaWorld em San Diego, que detém 10 orcas presas em seu estabelecimento. O projeto foi colocado em espera, em abril.

Há uma razão simples para tudo isso. As pessoas já não querem ver um animal de grande porte que possui habilidades intelectuais e emocionais complexas confinados em um tanque para fins de entretenimento. Com um planejamento cuidadoso, orcas cativas podem se aposentar de maneira mais livre em santuários marinhos.

No entanto, o parque tem planos de expansão para o Oriente Médio.

A única solução real e viável para a empresa se adaptar é aposentando suas baleias. A exploração de animais para o entretenimento representa um retrocesso e o Sea World tem que acordar.

SENSACIONALISTA - Biólogos brasileiros criticam naturalista que deixou sucuri engoli-lo

O apresentador americano Paul Rosolie está na mira dos defensores dos animais. Em vídeo divulgado na internet, o naturalista afirma que foi engolido por uma cobra sucuri e promete mostrar tudo na televisão.

“Não há registros científicos da ingestão de pessoas por sucuris. Além disso, não fazemos parte dos itens alimentares da espécie”, afirmou, em entrevista a EXAME.com, o biólogo Marcelo Bellini, do Instituto Butantan.

O vídeo divulgado no YouTube anuncia o programa “Eaten Alive” (“Comido Vivo”), do canal Discovery. A atração irá ao ar no próximo dia 7 em diversos países.

No vídeo, Rosolie aparece na Amazônia. Lá, ele vestiu uma roupa especial e lambuzou o corpo com sangue de porco para atrair uma sucuri, ser engolido pela cobra e resgatado com vida depois.

Sucuri

De acordo com Bellini, a dieta da sucuri não inclui apresentadores de TV – mas capivaras, jacarés e outros animais de médio porte. A cobra costuma passar boa parte do tempo dentro de rios e circular apenas em áreas secas que estejam próximas a eles.

“Nessa espécie, os machos são menores que as fêmeas”, afirma o biólogo. Segundo ele, as sucuris nascem medindo entre 80 e 90 centímetros de comprimento e podem alcançar cerca de 8 metros na vida adulta.

Em diâmetro, a cobra pode bater a marca dos 30 centímetros. Porém, a sucuri consegue engolir presas de até 90 centímetros de diâmetro. Isso se deve à estrutura diferenciada de seu maxilar, à possibilidade de dilatação das costelas e à pele elástica.

No Instituto Butantan, sucuris em cativeiro chegam a pesar 50 quilos. Mas Bellini informa que, na natureza, o peso tende a ser mais modesto. De acordo com o biólogo, uma cobra desse tipo em cativeiro pode viver por até 30 anos.

Da paz

“A sucuri é um animal grande, mas não é agressivo”, afirmou, em entrevista a EXAME.com, Vidal Haddad Júnior, professor da Unesp e autor de um livro sobre esse tipo de cobra.

Ele se mostrou indignado com o vídeo de Rosolie e saiu em defesa da cobra. “Esse tipo de coisa é ruim porque sataniza o bicho”, afirmou. No Instituto Butantan, os biólogos Circe Albuquerque, Marcelo Bellini e Silvia Cardoso também criticaram o programa da Discovery.

“Não gostamos da ideia de capturar um animal em seu habitat para videos de certa forma sensacionalistas.”, afirmaram eles via e-mail a EXAME.com.

Veja o vídeo que anuncia o programa “Eaten Alive”:




ANDA

França altera status de animais para “seres sensíveis” em código civil



A Assembleia Nacional da França deu um enorme passo em direção ao respeito dos direitos animais no final do mês passado, quando adotou uma medida que já havia sido aprovada pelo Parlamento em abril, segundo a qual animais não-humanos passarão a ser considerados “seres vivos sensíveis”.

Ativistas de direitos animais afirmam que a nova medida tornará mais fácil aos juízes a aplicação de punições a quem cometer crueldade contra os animais. Atualmente, a pessoa que for pega em flagrante abusando de animais na França enfrenta prisão de até dois anos e deve pagar uma multa de 30.000 euros – mas estas sanções quase sempre não são aplicadas. Agora, os juízes serão capazes de considerar o valor dos animais além do conceito de “propriedade”, que é a forma de tratamento em vigor até então. As informações são do The Dodo.

A resolução é uma demanda muito justa para o país regido por um código civil napoleônico de 200 anos atrás, que previamente concedeu aos animais o mesmo nível de direitos de itens de “mobília doméstica”.

Defensores de animais da França estão comemorando. Reha Hutin, da ONG 30 Million d’Amis, disse ao The Telegraph:

“Quando foi elaborado em 1804, o código civil refletia uma sociedade na qual os animais não se beneficiavam da mesma atenção que lhes dedicamos hoje. Na época, em uma França essencialmente rural, os animais eram considerados sob uma perspectiva utilitária, como força agrícola”.

No entanto, a luta dos ativistas ainda não acabou – a nova medida não reconhece se o gado sofre em fazendas industriais, uma disposição que havia sido empurrada pelos parlamentares do Green. Além disso, a categoria somente se estende a animais domésticos, não a animais selvagens.

A sentença é reminiscente de outros movimentos recentes que buscam proporcionar aos animais mais direitos legais. Uma medida notável foi aprovada em San Francisco no mês passado garantindo a golfinhos e baleias o direito “de estarem livres do cativeiro, e de permanecerem livres em seu ambiente natural”. Em agosto, a Suprema Corte do Oregon determinou que animais podem ser tratados como “vítimas” legais em um processo, o que lhes proporciona alguns direitos básicos de proteção contra abusos. E talvez o exemplo mais conhecido seja o atual movimento que busca o reconhecimento de personalidade jurídica a chimpanzés cativos em Nova York, conforme publicado recentemente pela ANDA.

ANDA

Cães idosos de um jeito que você nunca viu


Fotógrafa viaja o mundo captando expressões quase humanas nos focinhos de nossos amigos na terceira idade

É triste constatar, mas nossos cães não viverão para sempre. Uns irão mais cedo, outros mais tarde, a única certeza é de que deixarão um rastro de alegria em cada lembrança.

A fotógrafa americana Nancy Levine resolveu registrar esses momentos, fotografando cães idosos nos Estados Unidos com olhares emocionantes e, muitas vezes, quase humanos.

O resultado é o projeto “Senior Dog Across America“, uma coletânea de fotos que carregam histórias, memórias e muito amor pelos nossos amigos de quatro patas.


Rex 18 anos, Seattle, Washington.



Nyx 15 anos, Wichita, Kansas.



Buddha, 15 anos, Santa Fe, New Mexico.



Woody 14 anos, Seattle, Washington


Murphy 10 anos, Milford, Connecticut




Woody 15 anos, Seattle, WA.

Estudo comprova que donos de animais são mais felizes

Crianças se recuperam mais rápido de doenças e adultos são menos estressados quando têm bichinhos de estimação por perto 

Estudo feito pelo Instituto de Pesquisa Médica Baker, na Austrália, mostrou que proprietários de pets podem sofrer menos de estresse do que pessoas que não possuem um animal. Realizada durante o período de três anos, a pesquisa apontou que ter um bichinho de estimação pode reduzir a pressão sanguínea e os níveis de colesterol – uma grande notícia e surpresa, certo? 

Anne Mcbride, psicóloga que estudou o tema, explica ”que os bichos promovem uma melhor respiração nos humanos, fazem com que os donos sorriam mais, diminuem os índices do hormônio do estresse e aumentam os níveis de serotonina, substância responsável pela sensação de bem-estar”.

Cientistas da Universidade Warwick, na Grã-Bretanha, também afirmam ”que crianças de quatro a cinco anos se recuperam mais rápido de doenças quando possuem pets em casa”. Elas também ficam mais imunes do que outros jovens que não tem cães ou gatos, de acordo com a pesquisa do instituto americano Society for Companion Animal.

Leve o seu pet para trabalhar com você!

Já pensou que delícia poder trabalhar com a companhia do seu animal de estimação? A ação é bastante comum nos EUA, na Inglaterra e no Canadá. Em pesquisa feita pela Universidade Virginia Commonwealth, nos EUA, cerca de 30 pessoas levaram seus cachorros para o trabalho, pelo menos, um dia na semana. Nesse grupo, o nível de estresse caiu no mesmo dia. O mesmo, infelizmente, não aconteceu com as pessoas que deixaram o pet em casa.

Cachorros podem ser uma espécie de ‘’facilitador” nas relações sociais humanas – seja no trabalho, em casa, entre os amigos, na terapia ou ao conhecer novas pessoas. Se nos dias de hoje muitas pessoas perderam o costume de conversar com outras e estabeler novas relações pessoais, a chegada de um pet pode ajudar nessa fase de aproximação.

A ARCA Brasil (Associação Humanitária de Proteção e Bem-Estar Animal) acredita que ”levar o pet para o trabalho pode ser uma ótima ideia”, em especial para animais que ficam muito sozinhos em casa e se sentem estressados.

Se por acaso você decidir levar o seu animal no trabalho, atente-se aos seguintes pontos: a empresa deve estar de acordo com a decisão tomada e ter espaço para receber o pet. Além disso, é essencial passear com ele nos intervalos de trabalho, principalmente se o cão ou gato forem muito ativos. Os animais devem estar saudáveis, com todas as vacinas tomadas e saber se comportar em um ambiente novo.

Petmag

Comer carne contribui par a Mudança Climática, devido aos gases de Efeito Estufa emitidos pelo gado


Nova Pesquisa [ tendências globais e regionais nas emissões de gases de efeito estufa de gadoconstata que as emissões de gado estão em ascensão e que gado de corte é responsável por muito mais emissões de gases de efeito estufa do que outros tipos de animais. A pesquisa foi publicada pela Climactic Change.
O dióxido de carbono é o gás mais comum quando se trata de mudanças climáticas. Ele é liberado por veículos, indústrias e remoção da floresta e compreende a maior parte dos totais de gases de efeito estufa.
O metano e o óxido nitroso são liberados, em parte, pela pecuária. Animais emitem metano como um resultado de microrganismos que estão envolvidos nos processos de digestão e o óxido nitroso é emitido pela decomposição do estrume. Estes dois gases são responsáveis ??por um quarto das emissões de gases não-carbono e de 9% do total das emissões globais de gases de efeito estufa.
A equipe de pesquisa, incluindo Dario Caro, ex-Carnegie e agora na Universidade de Siena, na Itália, e Ken Caldeira, da Carnegie, estimou as emissões de gases de efeito estufa associados à pecuária em 237 países ao longo de quase meio século e descobriu que as emissões de gado aumentaram 51% durante este período.
Eles encontraram uma diferença gritante entre as emissões relacionadas com a pecuária no mundo em desenvolvimento, que representa a maior parte desse aumento, e as emissões pelos países desenvolvidos.
É esperado que aumente ainda mais daqui para frente nos países em desenvolvimento, como resultado do crescimento da demanda por carne, produtos lácteos e ovos, que alguns cientistas estimam que atinja dobro em 2050. Pelo contrário, os países desenvolvidos atingiram emissões máximas de gado na década de 1970 e tem reduzido desde então.
“O mundo em desenvolvimento está reduzindo as emissões de efeito estufa causadas por cada animal, mas esta melhoria não vai manter-se com a crescente demanda por carne”, diz Caro. “Como resultado, as emissões de gases de efeito estufa de gado aumentar em grande parte do mundo em desenvolvimento.”
Das emissões de gases de efeito estufa relacionadas com a pecuária, 54% é gerada pelo gado de corte e de 17% pelo gado leiteiro. Outras emissões são 9% pelas ovelhas, búfalos com 7%, suínos com 5% e caprinos com 4%.
“Esse saboroso hambúrguer é o verdadeiro culpado”, disse Caldeira. “Pode ser melhor para o ambiente, se todos nós nos tornamos vegetarianos, mas já seria uma melhora se reduzíssemos o consumo e adotássemos carne de porco ou frango em vez de carne.


Resumo

Seguindo as diretrizes do IPCC ( IPCC 2006 ), estima-se as emissões de gases de efeito estufa associados à pecuária em 237 países e 11 categorias de animais durante o período 1961-2010.Descobrimos que em 2010 as emissões de metano e óxido nitroso relacionados à pecuária mundial representaram aproximadamente 9% dos (GEE) das emissões de gases estufa total.Emissões globais de GEE da pecuária aumentou 51% durante o período analisado, principalmente devido ao forte crescimento das emissões no desenvolvimento (não-Anexo I) países (117%). Em contraste, os países desenvolvidos (Anexo I), as emissões diminuíram (-23%). Carne e leite são a maior fonte de emissões de gado (74% das emissões globais de gado). Como os países desenvolvidos tendem a ter baixos CO 2 emissões de gases de efeito estufa por unidade -equivalente PIB e por quantidade de produto gerado no sector da pecuária, a quantidade de riqueza gerada por unidade de GEE emitida a partir sector pecuário pode ser aumentada melhorando ambas as práticas de pecuária em países em desenvolvimento e do estado geral de desenvolvimento econômico. Nossos resultados revelam detalhes importantes de como a produção de gado e as emissões de GEE associadas têm ocorrido no tempo e no espaço.Discrepâncias com níveis mais elevados, demonstram o valor de análises mais detalhadas, e desencorajar sobre interpretação das tendências de menor escala nas Tier 1 resultados, mas não prejudiquem o valor da análise global de Nível 1.
  1. Barton PK, Atwater JW (2002) as emissões de óxido nitroso e nitrogênio antropogênico em águas residuais e resíduos sólidos. J Environ Eng 128: 137-150 CrossRef
  2. Bastianoni S, Caro D, S Borghesi, Pulselli FM (2014) O efeito de um método de contabilidade baseada no consumo nos inventários nacionais de GEE: a aplicação trilateral em escala macro e micro. Fronteiras Energia Syst Política No prelo. doi: 10,3389 / fenrg.2014.00004
  3. Bateman EJ, Baggs EM (2005) Contribuições de nitrificação e desnitrificação de N 2 O emissões de solos em diferentes espaço poroso cheio de água. Biol Fertil Solos 41: 379-388 CrossRef
  4. Bouwman T (1996) de emissão direta de óxido nitroso dos solos agrícolas. Nutr Cycl Agroecosyst 46: 53-70 CrossRef
  5. Bustamante MMC, Nobre CA, Smeraldi R, Aguiar APD, Barioni LG, LG Ferreira, Longo K et al (2012) Estimativa de emissões de gases de efeito estufa a partir de bovinos de corte aumentando no Brasil. Clim Chang 115: 559-577 CrossRef
  6. Caro D, Bastianoni S, S Borghesi, Pulselli FM (2014) sobre a viabilidade de um método de repartição baseada no consumidor nos inventários nacionais de GEE. Ecol Indic 36: 640-643CrossRef
  7. Engstrom R, Wadeskog A, Finnveden G (2007) Avaliação ambiental da agricultura sueco. Ecol Econ 60: 550-563 CrossRef
  8. EPA (2006) global antropogênico não-CO 2 emissões de gases de efeito estufa: 1990-2020.Estados Unidos Environmental Protection Agency, EPA 430-R-06-003, de Junho de 2006. Washington, DC, EUA. www.epa.gov/nonCO2/econ-inv/dow
  9. EPA (2011) global antropogênico não-CO2 das emissões de gases de efeito estufa: 1990-2030.Relatório final 182 pg. Disponível em:http://www.epa.gov/climatechange/EPAactivities/economics/nonco2projections.html
  10. FAO política (2005) Pecuária breve 02 (FAO, em Roma, 2005). Organização para a Alimentação e Agricultura das Nações Unidas. Disponível em:http://www.fao.org/ag/againfo/resources/en/pubs_sap.html
  11. FAO (2014) Banco de dados FAOSTAT Online: disponível em http://faostat.fao.org/ . Acessado em fevereiro 2014
  12. Garnett T (2009) as emissões de gases de efeito estufa relacionadas com a pecuária: impactos e opções para os decisores políticos. Política Environ Sci 12: 491-503 CrossRef
  13. Godfray HCJ, Beddington JR, Crute IR, Haddad L, Lawrence D, Muir JF, Pretty J, S Robinson, Thomas SM, Toulmin C (2010) A segurança alimentar: o desafio de alimentar 9 bilhões de pessoas. Ciência 137: 812-818 CrossRef
  14. Herrero M, Thorton PK (2009) mitigação das emissões de gases de efeito estufa provenientes de sistemas de produção animal. Agricultura e alterações climáticas: uma Agenda para a negociação em Copenhague. Foco 16, breve 6
  15. IPCC (2006) 2006 IPCC Diretrizes para Inventários de Gases de Efeito Estufa Nacional.Eggleston HS, Buendia L, Miwa K, Ngara T, Tanabe K. IGES, Japão. Disponível em:http://www.ipcc-nggip.iges.or.jp/public/2006gl/index.html
  16. IPCC (2007) Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima. Grupo de trabalho III. A mudança climática 2007: mitigação das mudanças climáticas. Disponível Acessado em fevereiro 2014
  17. CCI (2010) Avaliação da contribuição do sector da pecuária às emissões de gases de efeito estufa da UE (GGELS) Informar -Final (Ispra: Comissão Europeia, Centro Comum de Investigação). Leip A, Weiss F, Wassenaar T, Perez I, Fellmann T, Loudjani P, Tubiello F, Grandgirard D, Monni S e Biala K). Pg 323. Disponível em:http://ec.europa.eu/agriculture/analysis/external/livestock-gas/
  18. CCI / PBL (2012) EDGAR versão 4.2 FT2010. Centro Comum de Investigação da Comissão Europeia / Agência de Avaliação Ambiental da Holanda PBL. [Internet] Disponível em:http://edgar.jrc.ec.europa.eu/index.php . Acessado em fevereiro 2014
  19. Klein CAM, Novoa RSA, Ogle S, Smith KA, Rochette P, T Wirth, McConkey B, Mosier A, Rypdal K, M Walsh, Williams SA (2006) N 2 O emissões de solos manejados, e CO 2 emissões de cal e aplicação de uréia. Capítulo 11. 2006 do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas diretrizes para inventários de gases de efeito estufa nacional
  20. Meyer RL, Kjær T, Revsbech NP (2002) nitrificação e desnitrificação perto de uma interface solo-esterco estudou com um biossensor nitrato-nitrito. Soil Sci Am J Soc 66: 498-506CrossRef
  21. Miller MN, Zebarth BJ, Dandie CE, Burton DL, Goyer G, Trevors JT (2009) Influência do esterco líquido em abundância denitrifier solo, desnitrificação e emissões de óxido nitroso. 73: 760-768.
  22. Ministério do Meio Ambiente (2014) O relatório oficial anual de todas as emissões antrópicas (humanas induzida) e remoções de gases de efeito estufa na Nova Zelândia. Disponível em:http://www.mfe.govt.nz/publications/climate/greenhouse-gas-inventory-2014/index.html .Acessado em fevereiro 2014.
  23. Moran D, Wall E (2011) as emissões de produção pecuária e gases de efeito estufa: Definir o problema e especificar soluções. Anim frontal 1: 19-25 CrossRef
  24. Narula R, Dunning JH (2000) O desenvolvimento industrial, a globalização e as empresas multinacionais: Novas realidades de países em desenvolvimento. Oxf Dev Stud 28: 141-167CrossRef
  25. Naylor R, H Steinfeld, Falcon W, Galloway J, Smil V et al (2005) A perda das ligações entre gado e terras. Ciência 10 (3): 1621-1622 CrossRef
  26. NOAA (2014) National centro de dados climáticos. Laboratório de Pesquisas do Sistema Terrestre da Universidade de Delware. Administração Nacional Oceânica e atmosfera.Disponível em: http://www.esrl.noaa.gov/psd/data/gridded/data.UDel_AirT_Precip.html .Acessado em fevereiro 2014
  27. Oenema O, Tamminga S (2005) O nitrogênio na produção e gestão de animais opções globais para melhorar a eficiência no uso de nitrogênio. Sci China Ser C Life Sci 48: 871-887
  28. Reay DS, Davidson EA, Smith KA, Smith P, Melillo JM, Dentener F, Crutzen PJ (2012) A agricultura global e as emissões de óxido nitroso. Nat Clim Chang 2: 410-416 CrossRef
  29. Rose SK, Lee HL (2008) os dados de emissões de gases de efeito estufa não-CO2 para a análise económica das alterações climáticas. GTAP documento de trabalho nº 43
  30. Steinfeld H, Gerber P, T Wassenaar, Castel V, Rosales M, De Haan C (2006) longa sombra da Pecuária: questões e opções ambientais. Organização de Alimentos e Agricultura das Nações Unidas (FAO), em Roma, Itália. 408 pg. Disponível em:http://www.fao.org/docrep/010/a0701e/a0701e00.HTM
  31. Tubiello FN, Salvatore M, S Rossi, Ferrara A, Fitton N, P Smith (2013) O banco de dados FAOSTAT das emissões de gases de efeito estufa provenientes da agricultura. Environ Res Lett 8: 1-10 CrossRef
  32. UNEP (2012) pelo aumento das emissões de gases de efeito estufa devido à produção de carne. Tomar o pulso do planeta; conectando ciência com a política
  33. UNFCCC (2014A) Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a mudança climática. Disponível em: http://unfccc.int/parties_and_observers/items/2704.php
  34. UNFCCC (2014b) Convenção das Nações Unidas quadro sobre a mudança climática. DisponívelAcessado em fevereiro 2014.
  35. Valin H, Havlik P, Mosnier A, M Herrero, Schimd E, Obersteiner M (2013) as emissões agrícolas de produtividade e de gases de efeito estufa: os trade-offs ou as sinergias entre a mitigação e segurança alimentar? Environ Res Lett. doi: 10,1088 / 1748-9326 / 8/3/035019
  36. Vogeler I, Donna Giltrap D, Frank Li F, Neve V (2011) Comparação de modelos para prever nitrificação, desnitrificação e emissões de óxido nitroso em sistemas pastoris. 19º Congresso Internacional de Modelagem e Simulação, Perth, Austrália, 12-16 de Dezembro. Disponível em: http://mssanz.org.au/modsim2011
  37. Williams C de 2011. animal Oficina de Produção, 9-10 novembro ,. O papel da agricultura animal em uma placa de sistema sustentável do século 21 global de alimentos na agricultura e recursos naturais. A National Academies (Conselho Nacional de Pesquisa) Washington, DC Disponível em: http://dels.nas.edu/global/banr/Animal-Production-Workshop

Por Ken Caldeira, Carnegie Institution / Henrique Cortez, do EcoDebate
EcoDebate , 23/07/2014

Brasil tem 30 milhões de animais abandonados

Os cães são os melhores amigos do homem, mas o homem é o que do animal? Alguns que tratam os animais como simples coisas, mas não podemos generalizar. Porém podemos dizer que os maus-tratos ficam mais evidentes a cada dia. Como é o caso da cachorra Tchutchuca, que foi encontrada na rua em estado deplorável a beira da morte, mas recebeu cuidados e hoje alegra o quintal da casa de Thiago Oliveira Catana, membro de um grupo voluntário que cuida de animais abandonados e maltratados.
A Organização Mundial da Saúde estima que só no Brasil existam mais de 30 milhões de animais abandonados, entre 10 milhões de gatos e 20 milhões de cães. Em cidades de grande porte, para cada cinco habitantes há um cachorro. Destes, 10% estão abandonados. No interior, em cidades menores, a situação não é muito diferente. Em muitos casos o numero chega a 1/4 da população humana.
Em Araçatuba, no interior de São Paulo, são mais de 35 mil animais, destes, 2,6 mil estão abandonados. A cidade de Bauru tem quase 50 mil gatos e cães, o Centro de Zoonoses não soube informar o número de abandonados. Marília conta com mais de 60 mil e a estimativa é que três mil cachorros vivam na rua. Presidente Prudente tem 52 mil animais, com 2,6 mil abandonados. Em São José do Rio Preto são 90 mil.
O Brasil não tem leis efetivas para defender os animais, principalmente de maus-tratos, o que já existe em outros países. Enquanto o exemplo não é seguido, cabe a pessoas como a diarista Jania Aparecido Pinto, que tentar minimizar o abandono, mesmo que seja de maneira improvisada. Ela tem paixão por gatos e cuida de 26. Ela consegue alimentar e dar assistência médica com a ajuda de um grupo de voluntários.
Enquanto uns fazem de tudo para ajudar, outros caminham no sentido inverso. Em Tibiriçá, região de Bauru, um canil que abrigava mais de 70 cães de grande porte é alvo de investigação policial. A Delegacia do Meio Ambiente encontrou animais debilitados e em condições precárias de higiene. Mais de 10 animais acabaram morrendo devido a complicações de saúde. A mobilização de voluntários tem salvado a vida dos demais.
O poder público de modo geral carece de políticas para resolver o problema. Em Presidente Prudente, o Centro de Zoonoses da cidade reconhece a situação e pretende iniciar em breve um trabalho de identificação dos animais através de chips eletrônicos. Com isso, a expectativa é reduzir consideravelmente o numero de animais abandonados.
Combater o problema é fundamental. Mais importante ainda é não deixar que ele aconteça. Sabemos que todos precisam ter direito a vida e nós humanos com certeza somos minoria perante aos demais habitantes da Terra. Por isso devemos respeito.
Talvez o homem seja o único ser que invada o território do outro. Que agrida sem ser ameaçado. Que abandona sem ter motivo. Que maltrata sem justificativa e que tem a capacidade de racionalidade, mas não usa.

AGORA É LEI - Fim da extração de peles de chinchilas em SP

O material jornalístico produzido pelo Estadão é protegido por lei. Para compartilhar este conteúdo, utilize o link:http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,chinchilas-nao-poderao-ser-criadas-para-extracao-de-pele-em-sp,1584458O material jornalístico produzido pelo Estadão é protegido por lei. Para compartilhar este conteúdo, utilize o link:http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,chinchilas-nao-poderao-ser-criadas-para-extracao-de-pele-em-sp,1584458O material jornalístico produzido pelo Estadão é protegido por lei. Para compartilhar este conteúdo, utilize o link:http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,chinchilas-nao-poderao-ser-criadas-para-extracao-de-pele-em-sp,1584458O material jornalístico produzido pelo Estadão é protegido por lei. Para compartilhar este conteúdo, utilize o link:http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,chinchilas-nao-poderao-ser-criadas-para-extracao-de-pele-em-sp,1584458O material jornalístico produzido pelo Estadão é protegido por lei. Para compartilhar este conteúdo, utilize o link:http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,chinchilas-nao-poderao-ser-criadas-para-extracao-de-pele-em-sp,1584458

Foto Vista-se


A Lei foi sancionada hoje, 28/10/14, pelo Governador do Estado, Geraldo Alckmin.
Criadores afirmam que animais serão sacrificados ou vão morrer de fome.

A Lei aprovada visa proteger animais mortos para que suas peles sejam usadas pela indústria de casacos e acessórios, para a confecção de um único casaco são mortas pelo menos 200 chinchilas. Ela passa a valer a partir desta quarta-feira (29), data em que deve ser publicada no Diário Oficial do Estado de São Paulo. Quem ignorar a lei sancionada nesta terça-feira (28) estará sujeito a pagar uma multa de cerca de R$ 10.000,00 por animal. Na reincidência, a multa passa dos R$ 20.000,00 por animal apreendido.

O Brasil é o segundo maior produtor de peles de chinchila no Mundo.

De acordo com a justificativa da Lei, uma sociedade justa não pode permitir que animais paguem com suas vidas pela vaidade humana.

Este é um movimento mundial que visa eliminar o comércio de roupas, acessórios e outros produtos vinculados a uma indústria que mantém a prática de tortura de animais.Uma sociedade justa não pode permitir que animais paguem com suas vidas pela vaidade humana.

O presidente a ACHILA ( Associação Brasileira dos Criadores de Chinchilas), Carlos Perez, teve seu sítio em Itapecerica da Serra invadido por ativistas e afirma que os animais foram soltos na mata e mortos pelos cães, leia aqui, ele afirma que continuará a matar animais em seu outro sítio no Mato Grosso do Sul. Em entrevista ao Estadão ele afirmou que os animais serão sacrificados ou morrerão de fome.

Todo o processo que envolve os animais criados para a extração de peles é extremamente cruel e injustificável, além dos maus tratos infligidos pelo confinamento em que vivem, ainda desenvolvem transtornos comportamentais recorrendo a auto mutilação ou mesmo o canibalismo. Embora os criadores afirmem que submetem os animais a anestésicos ou adormecem com éter, a triste realidade é outra, normalmente os animais são pendurados pelo rabo tendo em seguida o pescoço torcido a um ângulo 90°. Muitos animais agonizam com o pescoço deslocado enquanto sua pele é retirada com ele ainda vivo.

Agora, pelo menos no Estado de São Paulo, esta prática cruel está proibida.

Vitória dos animais!






O material jornalístico produzido pelo Estadão é protegido por lei. Para compartilhar este conteúdo, utilize o link:http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,chinchilas-nao-poderao-ser-criadas-para-extracao-de-pele-em-sp,1584458
O material jornalístico produzido pelo Estadão é protegido por lei. Para compartilhar este conteúdo, utilize o link:http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,chinchilas-nao-poderao-ser-criadas-para-extracao-de-pele-em-sp,1584458O material jornalístico produzido pelo Estadão é protegido por lei. Para compartilhar este conteúdo, utilize o link:http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,chinchilas-nao-poderao-ser-criadas-para-extracao-de-pele-em-sp,1584458